Pesquisar este blog

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Brevíssima reflexão sobre EAD


Brevíssima reflexão sobre EAD


[1]Jonas Dias de Souza

Autonomia: Na filosofia temos este termo introduzido por Kant com a finalidade de designar a "independência da vontade" em conexão a desejo (qualquer desejo) ou seu objeto, em conformidade com a razão. Contrapõe-se à heteronomia . "A lei moral não exprime nada mais do que a autonomia da razão pura prática, isto é, da liberdade" (Kant, Crítica da Razão Prática). Em se tratando da questão da EAD (Educação a Distância) a autonomia é uma qualidade que deve ser inerente ao aluno enquanto sujeito construtor de seu conhecimento. Por autonomia devemos entender que o aluno de EAD é gerente de seus estudos e dele dependem a qualidade do aprendizado. Para Aurélio, autonomia é a capacidade do homem em governar-se a si mesmo e por si mesmo. Ainda em EAD o aluno enquanto sujeito, deve governar seu aprendizado de forma autônoma e com liberdade. Esta liberdade advinda da autonomia joga em seus ombros a responsabilidade de gerenciar seus estudos de forma qualitativa e quantitativa e por consequência gera reflexos na própria EAD. 








Valle & EStrella discutem o crescimento da EAD no Brasil, quebrando a assertiva que  atribui o sucesso da modalidade ao desenvolvimento tecnológico (da informática) no país. As autoras defendem que para além do desenvolvimento da informática está a receptividade e os incentivos que fruíram das autoridades públicas brasileiras e de instituições privadas. Esta soma de interesses, que as autoras denominam de “disposições positivas”, já era recorrente em outros países desde o segundo lustro da década de 90.  A EAD sofreu uma transformação ao longo das décadas no que respeita ao seu público, nos anos 70 e 80 visava atender alunos que não haviam completado o segundo grau, na década de 90 visa o terceiro grau.   Contudo, há que pautar a discussão na necessidade do avanço da inclusão digital.
“Particularmente no caso do Brasil, se é inconteste que é preciso avançar na inclusão digital, não é menos verdadeiro que a apropriação das tecnologias de informação e comunicação (TIC) para fins de educação implica um espectro bastante específico de exigências que nem de longe se resumem ao simples treinamento para a mera manipulação de uma plataforma.”[2]


Vejo a resistência para com a EAD, ligada à dificuldade de interação com plataformas digitais. Não vejo a questão da "transmissão vertical" como o cerne do problema. A conquista de uma EAD com qualidade é centrada no aluno. Escolhi falar sobre a palavra "Autonomia" justamente porque acredito que esta qualidade deve ser primordial para o cidadão que resolve fazer um estudo a distância. A transmissão vertical não encontrará eco nesta modalidade de estudo. O aluno que se limitar a seguir o professor conteúdista ou o tutor, e não se lançar em novas pesquisas, este sim estará perpetuando a questão da transmissão vertical. A aula desgastante está ligada aos interesses do aluno e à capacidade do professor. E isto é uma questão de didática e não aos paradigmas pedagógicos. Se enveredarmos por este caminho, ou seja, o de compararmos as aulas presenciais com as aulas EAD, nós perderemos o foco de uma busca de qualidade para a EAD. Não há nada que se compare ao calor humano. Em termos de calor humano é preferível uma aula chata do que a tela fria de um computador. Por outro lado, sou levado a concordar que esta migração desprovida de uma autocrítica é danosa. Sou levado a me questionar sobre o que seria os "processos humanos de aprendizagem complexo"? Na sala de aula raramente há uma oportunidade de rever seus conceitos (digo de imediato). Quantas vezes eu escrevi este texto? Quantas palavras foram trocadas para não melindrar? Este escreve e conserta (ou deleta pra utilizar uma linguagem própria de computação) é mesmo que forma inconsciente uma auto crítica. A oportunidade singular da EAD reside no fato de que mesmo tendo uma "aula ruím", o aluno pode ser caso assim o deseje, sujeito de seu conhecimento. Neste caso a maturidade e a disciplina darão conta, porque iremos sempre buscar um conteúdo que segundo os nossos juízos de valores sejam melhores. "Não basta mudar o ambiente, é necessário mudar a pedagogia" é uma frase corajosa. Leva a uma reflexão sobre os valores que carregamos e quais devemos abrir mão para uma EAD de qualidade.



[1] Graduado em Filosofia pela UFSJ.
[2]  Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v14n42/v14n42a11.pdf acesso em 22/03/2018


quarta-feira, 9 de maio de 2018

MERLI, NETFLIX E FILOSOFIA: A FILOSOFIA RETRATADA COM HUMOR.





MERLI, NETFLIX E FILOSOFIA: A FILOSOFIA RETRATADA COM HUMOR.
Jonas Dias de Souza
                Dia desses por acaso, por puro acaso, se é que existe tal coisa, deparei-me com uma série de televisão sobre filosofia. Tomado por uma forte gripe e impossibilitado de cumprir outros compromissos, dediquei a ler alguns textos para a Pós Graduação em filosofia. Como se vê, não existe o tal acaso puro e simples. O google rastreou meus interesses, e através de algoritmos, mandou uma propaganda para minha tela. Não sou dado a seguir estas propagandas, pelo menos não de forma consciente, mas resolvi aprofundar o assunto.
                Enfim, vou poupar os detalhes dos caminhos e das pesquisas (zapeadas) pela série. Descubro que ela está na netflix.  Santa gripe. Ser feliz nas adversidades. Cama, cobertor, chá quente, paracetamol de 750 e filosofia. Nada melhor que umas boas risadas para acabar com a dor no corpo de uma gripe.
                Não vou dar spoiler, mas posso dizer que a série é uma produção da TV3 e estreou na Espanha. Cada episódio recebe o nome de um filósofo ou de um período da filosofia. Posso dizer que podemos nos apaixonar pela filosofia com pitadas de humor. Longe de ser para eruditos, a filosofia se mostra capaz de fazer parte do nosso cotidiano. Amores, amizades , problemas, conflitos juvenis e uma aula de didática.
Vale a pena conferir!


               

terça-feira, 1 de maio de 2018

Black Mirror: comportamento moral do homem diante das novas tecnologias


Leia o artigo sobre o comportamento moral e as novas tecnologias.  E divulgue.

O blog Trem de Ler é editado pelo jornalista Douglas Caputo.

O link está logo aí abaixo.

Fraternal abraço.

Jonas Dias




Black Mirror: comportamento moral do homem diante das novas tecnologias

Participação no Blog Trem de Ler


Ética na Corrida de Rua.

Atendemos o convite do Jornalista Douglas Caputo e fizemos algumas participações no Blog Trem de Ler.   Acompanhe nossas participações pelo Link. Aproveite e divulgue. Sua participação é importante.


Fraternal abraço.

Jonas Dias


domingo, 29 de abril de 2018

O enigma DESIDERATA: Uma construção medieval ou moderna?



O enigma DESIDERATA: Uma construção medieval ou moderna?

Na minha infância no final dos anos 70 (entreguei o ouro) aguardava até o final da noite, quando a rádio AM local encerrava as suas transmissões para ouvir o poema DESIDERATA.  Longe de ser nostálgico, pois eu amo as facilidades tecnológicas ao meu alcance, não havia lá em casa gravador ou fita cassete que pudesse registrar a transmissão do poema. Então de segunda a segunda, era ouvido colado no rádio, por volta de meia noite.
Busquei em muitos livros (não tinha esta benção chamada Google)  e lembro de que encontrei alguma coisa sobre a autoria do poema. Isto mesmo, DESIDERATA é um poema. É um poema dos mais bonitos de se ler. Embora escrito em língua diversa do vernáculo, possui uma primorosa tradução, que nos leva a refletir sobre a nossa importância enquanto indivíduos e sobre o mundo em geral. Não necessariamente nesta ordem.
Chamei de enigma porque a aura de mistério que envolve a autoria de DESIDERATA é permanente até hoje. Quando buscamos informações sobre o poema, encontramos sua data ora em 1692, ora nos anos 60 do século passado. Outras atribuem sua autoria a um monge  e que teria sido encontrado na Catedral de Baltimore, e outras informações ainda o atribuem a Max Erhman. Na segunda versão de autoria, DESIDERATA teria vindo a lume de forma póstuma após a morte de seu autor. Se considerarmos a beleza contida nas informações, veremos que, nenhum dos autores colheu em vida a fama de seu poema. O monge anônimo morreu tendo em seu interior o contentamento de um segredo. Quanto a Ehrman morreu sem ver seu legado.
Mas o que significa Desiderata?
Desiderata do latim significa “coisas que são desejadas” ou “aspirações”. E neste começo de um 2018, que coisas podem ser desejadas por um povo que vê uma crise financeira, ética e moral, ativar a reflexão existencial. Coisas desejadas são um particular de cada ser, de cada representante desta chamada espécie humana. Há quem diga que DESIDERATA  foi traduzido para mais de 70 idiomas e embora eu não seja poliglota, acredito que em cada língua ele alcançou a capacidade de levantar questões importantes para o homem, como acontece com a boa literatura.
Eís o poema:
DESIDERATA
Max Ehrmann*

Viva tranqüilamente, por entre a pressa e os ruídos, e lembre-se de quanta paz há no silêncio. Tanto quanto possível, sem se render, esteja em bons termos com as pessoas.
Diga sua verdade calma e claramente, e ouça os outros, mesmo os mais medíocres e ignorantes – eles também têm a sua história.
Evite as pessoas espalhafatosas e agressivas, pois essas são um insulto ao espírito. Não se compare com os outros, para não se tornar vaidoso ou amargo, e saiba: sempre haverá pessoas melhores e piores que você. Desfrute tanto de suas realizações quanto de seus planos.Cultive seu trabalho, mesmo que ele seja humilde; esse é um bem real, frente às variações da sorte. Seja cauteloso em seus negócios, pois o mundo é cheio de armadilhas. Mas não deixe que isso o torne cego para a virtude, que está sempre presente; muitas pessoas lutam por ideais nobres e, por toda a parte, a vida é sempre exemplo de heroísmo.
Seja sempre você mesmo. E sobretudo nunca finja afeição. Nem seja cínico em relação ao amor, pois, apesar de toda a aridez e desencanto, ele é tão perene quanto a relva.
Aceite serenamente os ensinamentos do passar dos anos, renunciando suavemente àquilo que pertence à juventude. Fortaleça seu espírito para que ele possa protegê-lo diante de uma súbita infelicidade. Não antecipe sofrimentos pois muitos temores são apenas fruto do cansaço e da solidão. Mesmo seguindo uma disciplina rigorosa, seja leniente consigo.
Você é filho do Universo, tanto quanto as árvores e as estrelas; e tem o direito de estar aqui. E mesmo que isso não seja muito claro para você, não tenha dúvida de que o Universo segue na direção certa.
Portanto, esteja em paz com DEUS, não importa a maneira como você O concebe, e sejam quais forem as suas lutas e aspirações, na terrível confusão que é a vida, fique em paz com sua alma.
Pois, apesar de toda a falsidade e sonhos desfeitos, este ainda é um lindo mundo. Seja cauteloso. Lute para ser feliz.”
Percebe-se que a aceitação de que o poema teria sido escrito em 1927 por Max Ehrman é voz corrente. Mas e se for também um poema medieval? Acredito que DESIDERATA  é um texto de uma profundidade filosófica que permite a quem precise ( agora e nas épocas vindouras) em grande encontro com seu interior.
Um fraternal abraço.
Jonas Dias de Souza